A Revista Íntegra, após cinco anos de publicações, chega ao fim.
Convidamos você a conferir esta última edição. Saiba mais...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Vivendo em Alderley Edge - Where there’s tea there’s hope - Magda Hammer

Parte 1 - Julho de 2010

A parte “ física” da mudança já passou. As caixas já estão guardadas no porão, até prontas pra outra. Agora começo agora a analisar o lugar, eu e os meu botões.
Dizem que a primeira impressão é a que fica? Não sei, mas vou contar algumas cenas.
Chegamos aqui e deu tudo errado. A mudança atrasou. Prometeram pra gente um porão que não existia. Alarme de incêndio no primeiro dia de Inglaterra, de roubo no segundo, vazamento no terceiro e aí por diante.
Se não fosse a solidariedade de um vizinho muito bondoso que nos emprestou o porão dele, não sei o que seria. Vizinho solidário e ingênuo pois não sabe do escritório que eu montei nesse quarto extra. Parece quartinho clandestino da CIA da Segunda Guerra Mundial. Não saio mais!
O alarme de incêndio no hotel, em plena madrugada, até que foi divertido. Foi então que comecei a perceber como os ingleses adoram sirenes. E como são abertos, pois mal cheguei e já estavam só de roupas íntimas na minha frente. Moral da estória: nunca durma num hotel sem pijama adequado.
Foi um show de moda interessantíssimo no estacionamento do hotel, onde minha família e mais algumas dezenas de hóspedes tiveram que passar algumas horas até os bombeiros checarem se havia fogo ou não.
Mas estou gostando muito do estado de espírito “ Beverly Hills” de Alderley. Aliás tenho que contar o episódio do dia da mudança: na hora do almoço fiz uma pausa e fui a um restaurante aqui na esquina.
Fazia calor, coisa estranha em pleno norte da Inglaterra, não? Mais curioso ainda era esse restaurante, parecia que ficava num porto de iate de alguma ilha grega. Todo mundo loiro, bronzeado tipo vermelho camarão, caras esticadas, salto alto em pleno meio-dia, adolescentes com Iphone embaixo de guarda-sóis brancos.
E eu toda cheia de pó e filhos. Ainda encomendei três sanduíches pra levar “ pros omi que tavam descarregando a mudança, afinal eles precisavam de sustância”. Saí com a sacolinha de plástico na mão, no meio de muitas Louis Vuitton. Nunca vou esquecer dessa cena.

Parte 2 - Setembro de 2010

Após duas semanas de calor em junho, o verão foi embora. Para nunca mais voltar. Tinha esquecido que só existe outono na Inglaterra.
Bateu uma saudade do lago, a zuriquense dentro de mim... Saudade daquele clima de praia, de colocar o biquíni, largar a toalha na grama e ficar apreciando a montanha com neve lá em cima, bem longe.
Conselho útil se você tem filhos: nunca se mude para um lugar sem sol, onde você não dirige e não conhece ninguém perante dois meses de férias escolares. Ainda bem que tudo nesta vida passa, até uva passa... e setembro chegou e com ele as aulas começaram.
Apesar do tempo, o estado de espírito de Beverly Hills continua neste pequeno povoado da Inglaterra. Não entendi ainda como funciona a matemática do lugar. A maioria das pessoas tem uma casa aqui e outra na Espanha, vive seis meses aqui e seis acolá. Minha mentalidade de
classe média não consegue acompanhar a conta. Como é isso para as crianças, estudar seis meses em cada canto? Que tipo de trabalho tem uma pessoa assim? Tem trabalho? Quem sustenta todo essa gente?
Na verdade, a Inglaterra é um dos países europeus mais afetados pela crise econômica. Em Alderley, você só sente isso quando vê alguns estabelecimentos abandonados e lojas vazias. Mas alguns quilômetros adiante o buraco é mais embaixo. Aí você nota as reduções de gastos que o governo vem fazendo. Um pequeno exemplo disso é o lugar onde faço ginástica, no centro comunitário da cidade vizinha. Aumentaram o preço das aulas, até as dos aposentados. A sala onde temos aula, tem um furo no teto que parece que nunca vai ser consertado. O material é todo quebrado e rasgado. Outro dia, quando o funcionário trouxe os colchonetes pra gente, as inglesas se entreolharam e uma delas deixou escapar: “ Por que ele se deu o trabalho de trazer esse lixo?” E todas riram. Nada como o humor britânico para afastar a deprê da crise.

Como diz um ditado aqui: Onde há chá, há esperança.

Magda Hammer - Alderley Edge, Inglaterra

2 comentários:

Miriam disse...

Oh dear ... for me a lady grey, please ;-)ksks
Querida, deu saudades de encontrar vc e as crianças na prainha do lago ZH :-(
adorei suas experiências britânicas, conte mais
bj
Miriam

magdahammer@gmx.ch disse...

Lady Mi, o chazinho ta te esperando. bjs!
Magda