A Revista Íntegra, após cinco anos de publicações, chega ao fim.
Convidamos você a conferir esta última edição. Saiba mais...

terça-feira, 3 de março de 2009

O triste caso de Paula, ovelhas negras e urubus desalmados

Só uma palavrinha ...
Muito já se leu nas últimas semanas sobre esse caso. A comunidade brasileira e suas opiniões se dividiram, ficamos chocados, indignados, perplexos, desconfiados, hesitantes, envergonhados, compadecidos, enraivecidos ... buscamos culpados (sempre a Globo !?!) e saídas honrosas ... Foram muitos sentimentos fortes para um gélido e inesquecível inverno só!
Mas ... se não tivesse havido nenhum sinal de xenofobia por aqui nos últimos tempos (propaganda mais-que-explícita), essa história não teria tido credibilidade.
E fim de papo.

Miriam Vizentini (Baden, Suíça)

3 comentários:

Dinora disse...

Olá Miriam

É isso aí.
Falou e disse!
E fim de papo!!!

Beijos
Dinorá

Anônimo disse...

Visto a reaçao racista e chenofobica de muitos brasileiros acho que despençaria qualquer comentario, cuidado p nao queimar o filme da Integra.
Também nao sou a favor desse tipo de cartaz, mas vale a pena lembrar que ele nao representa a Suíça e sim uma parte da populaçao que segundo estatistaicas a minoria.
Os nordestinos, os negros, que o digam, No Brasil nao se faz cataz mas piadinhas (mais que maldosas), claro que nem todo brasileiro é racista, assim como nem todo suíço.
Sem contar as chibatadas, mal tratos que os japoneses tiveram quando chegaram por la. (sabia que eram presos e apanhavam quando falavam seu idioma dentro da propria casa? Isso é que é integraçao.)
Pra terminar, caso triste esse, revelou um lado imaturo, raivoso, amargo, acusador, precipitado, injusto, racista(contra os suíços, claro), de muitos brasileiros, pra mim ate entao, EVOLUIDOS. Decepçao!!!!!
Moral da historia: Cada país, cada naçao tem suas ovelhas negras e seus urubus desalmados. Mas a maioria é gente boa, se nao fosse o mundo estaria perdido.
Abraços
Mara

maura disse...

Mais que certa Miriam, o foco nesta estória é: a loucura de uma E a loucura de muitos!

Beijo, Maura